“Curta demais para se acrescentar algo”: a poesia essencial de Wislawa Szymborska

MONTE DE LEITURAS: blog do Alfredo Monte

uma versão da resenha abaixo foi publicada originalmente em A TRIBUNA de Santos, em 06 de dezembro de 2011

“Quem quis se alegrar com o mundo/ depara com uma tarefa/ de execução impossível (…) // Era para Deus finalmente crer no homem/ bom e forte/ mas bom e forte/ são ainda duas pessoas.// Como viver—me perguntou alguém numa carta/ a quem eu pretendia fazer/ a mesma pergunta.// De novo e como sempre…/ não há perguntas mais urgentes/ do que as perguntas ingênuas”.

   (trechos de Ocaso do século, de Wislawa Szymborska)

A primeira coisa que chama a atenção em POEMAS é essa senhora na capa soltando uma satisfeita baforada, com seu cigarro, com uma expressão beatífica-iogue, com um toque solerte e matreiro. Uma capa que celebra—não sei se deliberada ou inconscientemente—a resistência ao patrulhamento e intolerância crescentes no mundo. Não sou fumante, e por isso posso falar tranqüilamente: acho…

Ver o post original 1.208 mais palavras

Quem envergonhou o Brasil aqui e lá fora?

Leonardo Boff

Pertence à cultura popular do futebol a vaia a certos jogadores, a juízes e eventualmente a alguma autoridade presente. Insultos e xingamentos com linguagem de baixo calão que sequer crianças podem ouvir é coisa inaudita no futebol do Brasil. Foram dirigidos à mais alta autoridade do pais, à Presidenta Dilma Rousseff, retraída nos fundos da arquibancada oficial.

Esses insultos vergonhosos só podiam vir de um tipo de gente que ainda têm visibilidade do pais, “gente branquíssima e de classe A, com falta de educação e sexista’ como comentou a socióloga do Centro Feminista de Estudos, Ana Thurler.

Quem conhece um pouco a história do Brasil ou quem leu Gilberto Freyre, José Honório Rodrigues ou Sérgio Buarque de Hollanda sabe logo identificar tais grupos. São setores de nossa elite, dos mais conservadores do mundo e retardatários no processo civilizatório mundial, como costumava enfatizar Darcy Ribeiro, setores que por 500 anos ocuparam…

Ver o post original 548 mais palavras

“A beleza salvará o mundo”: Dostoiewski nos ensina como

Leonardo Boff

Dos gregos aprendemos e isso atravessou  os séculos, que todo ser, por diferente que seja, possui três características transcendentais (estão sempre presentes pouco importa a situação, o lugar e o tempo): ele é o unum, o verum e o bonum, quer dizer ele goza de uma unidade interna que o mantem na existência, ele é verdadeiro, porque se mostra assim como de fato é e é bom porque desempenha bem o seu lugar junto aos demais ajundando-os a existirem e coexistirem.

Coube aos mestres franciscanos medievais, como Alexandre de Hales e especialmente São Boaventura que, prolongando uma tradição vinda de Dionísio Aeropagita e de Santo Agotinho, acrescentarem ao ser mais uma característica transcendental: o pulchrum vale dizer, o belo. Baseados, seguramente na experiência pessoal de São Francisco que era um poeta e um esteta de excepcional qualidade, que “no belo das criaturas via o Belíssimo,” enriqueceram nossa compreensão…

Ver o post original 774 mais palavras

Quem lê muito escreve bem. É mesmo?

blog do curso Escrevacerto

Eu era uma professora que também achava que se alguém quisesse escrever bem teria de ler muito.

Então eu comecei a encontrar alguns casos de se pensar…

Tive um aluno em 2004 que só tirava 3 na redação do colégio. Ele vivia fora da sala. Isso porque ele falava demais, e tumultuava a aula, claro.

Ele não lia nem os livros que a escola pedia. Então eu me preparei para o pior…

Entretanto, ele foi um dos alunos mais brilhantes que já tive! Ele falava sobre qualquer assunto, até sobre o que ele só estava conhecendo naquele momento! Ele opinava, pensava, dava seus motivos para pensar daquele jeito, questionava o que eu dizia… se envolvia totalmente! Muitas vezes eu chegava para a aula e ele já vinha recuperando algum assunto da aula passada.

Uma vez ele ficou tão encucado com a  questão crônica da falta de qualidade do ensino no Brasil…

Ver o post original 371 mais palavras

Van Gogh — os auto-retratos

vicio da poesia

1889 Agosto

Foram numerosos os auto-retratos pintados por Vincentvan Gogh (1853-1890) nos últimos anos de vida. Atenho-me aos retratos realizados nos anos 1887-1889.

1887 Março-Abril aPara o período destes auto-retratos, as circunstâncias de biografia de van Gogh são conhecidas: a instalação em Arles com o propósito de criar uma comunidade de artistas, as dificuldades em vender obras suas, o conflito com Paul Gauguin, o corte da orelha e os episódios de insânia; e  têm ocupado biógrafos e leitores, colocando a fruição das obras na perspectiva da vida do artista.

1888 Setembro  - dedicado a GauguinAo vê-las, interessa-me sobretudo o confronto da técnica com o poder expressivo das imagens, dando conta de uma complexidade de sentimentos através de uma paleta irrealista e de uma pincelada visivelmente ostensiva, que acrescenta drama ao olhar o retratado.

1887 Verão  c

Sendo sempre o mesmo homem, retrato a retrato seguimos entre a placidez e a determinação, até mesmo à obstinação, e à tragédia da loucura, tomando…

Ver o post original 56 mais palavras